P U B L I C I D A D E

sexta-feira, 3 de maio de 2013

FAMÍLIA DE ADOLESCENTE MORTO NO PARANOÁ SERÁ INVESTIGADA.



A Polícia Civil vai investigar a omissão da família de um adolescente de 14 anos, que acabou disparando acidentalmente uma arma de fogo na tarde desta quinta-feira (02), em frente a uma residência na quadra 32 do Paranoá.

Segundo a delegada-chefe da Delegacia da Criança e do Adolescente (DCA I), Mônica Ferreira, o adolescente estaria brincando com um revólver calibre 38 ao lado de outras duas crianças e tudo teria a conivência dos pais.

"De acordo com os depoimentos, era notório naquela família que esses dois adolescentes - a vítima e o primo - ficassem brincando com a arma. Esse é um fato curioso. É difícil entender como uma família permite estar com uma arma dentro de casa e deixar que adolescentes fiquem brincando de roleta russa", disse.

O caso agora será remetido para a 6ª Delegacia de Polícia, do Paranoá, que vai investigar qual teria sido a atitude dos pais com relação a permissão da brincadeira. "A família pode ser responsabilizada por conta disso", explicou a delegada. 

A arma foi encaminhada para a perícia, com o objetivo de identificar a origem. Segundo o adolescente apreendido ao tentar escondê-la em um terreno baldio, o revólver teria sido adquirido no bairro Pedregal, da cidade do Novo Gama/GO, Região Metropolitana do Distrito Federal.

O adolescente responderá pelo crime de ato análogo ao porte ilegal de arma de fogo. Ele cumprirá medida sócio-educativa preventiva por 45 dias. Posteriormente, o caso será encaminhado para a Vara da Infância e da Juventude e, caso for considerado culpado, pode pegar entre seis meses a três anos de medidas. 

Em depoimento, o jovem afirmou que a arma "era para uns corre" (sic). No entanto, segundo a delegada Mônica Ferreira, ele não possui passagens pela polícia.

Relembre o caso
Por volta das 12h da última quinta-feira, um adolescente de 14 anos estava brincando com um revólver calibre 38, modelo 357, e chamou outros dois amigos, de 10 e 11 anos, para ver o revólver. Ele contou aos colegas que levaria para a escola na parte da tarde, período que o garoto estudava. Eles não toparam ver e, minutos depois de deixar o local, só ouviram o disparo, que vitimou o jovem na hora.

O primo do adolescente, que também tem 14 anos, resolveu fugir e esconder o revólver. Minutos depois, a polícia encontrou a arma e localizou o rapaz, que foi apreendido.

RenerLopes
rener.lopes@jornaldebrasilia.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário