P U B L I C I D A D E

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

DEFESA CIVIL DECLARA, MAIS UMA VEZ, ESTADO DE ALERTA NO DISTRITO FEDERAL.


As temperaturas elevadas e a baixa umidade fizeram com que a Secretaria de Estado de Defesa Civil do Distrito Federal declarasse, mais uma vez, estado de alerta.

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou nessa quarta-feira (3/10) o índice mais baixo deste ano, 13% de umidade. Não há previsão de chuvas para os próximos sete dias.

A umidade relativa do ar ideal é de 60%, tornando-se aceitável entre 60% e 30%. Quando cai abaixo de 30%, mas ainda fica acima de 20%, já representa estado de atenção. Já o índice inferior a 20% leva ao estado de alerta.

"A temperatura está elevada e a umidade do ar vem baixando nos últimos dias, o que pode ocasionar problemas de saúde à população do Distrito Federal. Por isso, decidimos, a exemplo do que ocorreu no mês passado, estabelecer o estado de alerta, como medida preventiva", explicou o subsecretário de Operações da Defesa Civil, Coronel Sérgio Bezerra.

O calor vai continuar incomodando os brasilienses. A temperatura mais alta registrada nesta quinta-feira (4/10) foi de 32,2º C por volta de 14h. A umidade também preocupa: no inicio da tarde, o Inmet registrou 19% de umidade.

Com isso, a Defesa Civil, recomenda os seguintes cuidados:
- Ficam suspensas, em todas as unidades de ensino da rede pública do Distrito Federal, quaisquer atividades físicas ao ar livre, entre 13h e 17h.
- Todos os órgãos da administração direta e indireta do Distrito Federal deverão adotar medidas necessárias para organizar seus serviços, em vista de minimizar os efeitos da seca, prevenindo qualquer agravo à saúde dos seus servidores e da população do Distrito Federal.
- Nas instituições em que forem percebidos sinais de agravo à saúde, como tosse, falta de ar, mal estar, a Defesa Civil também recomenda as suspensões das atividades, mas a decisão de liberar funcionários ou alunos fica a cargo da Secretaria de Educação.

- Evitar aglomerações;
- Aumentar a ingestão diária de líquidos, independente de apresentar sede ou não. Beber pelo menos seis copos d'água de tamanho médio;
- Evitar os banhos prolongados com água quente, bem como o uso excessivo de sabonete para não eliminar totalmente a oleosidade natural da pele;
- Pingar duas gotas de soro fisiológico em cada narina, pelo menos seis vezes ao dia. Este procedimento evita o ressecamento nasal e a ocorrência de sangramento;
- Evitar ligar aparelhos de ar-condicionado, que retiram ainda mais a umidade do ambiente;
- Colocar toalhas molhadas e bacias com água nos quartos durante todo o dia. Isso ajuda a manter o ar ambiente mais úmido;
- Trajar roupas adequadas às condições do tempo. No calor, usar roupas leves e, se possível, de algodão; Fazer refeições leves, incluindo frutas e verduras sempre que possível;
- Evitar exercícios físicos entre 10h às 17h. Neste período, a insolação e evaporação atingem seus índices máximos;
- Usar cremes hidratantes ou óleo vegetal em abundância para evitar o ressecamento da pele;
- Optar pelo uso de sombrinha ou guarda-chuva no período mais quente. Os pequenos merecem cuidados ainda mais especiais, pois têm a pele mais sensível e vulnerável. A hidratação é essencial, principalmente de dentro para fora com a ingestão de bastante líquido. Os pais precisam garantir que precisam redobrar os cuidados para garantir que as crianças estejam sempre bem hidratadas.

Fonte:correiobraziliense.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário