P U B L I C I D A D E

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

FUNCIONÁRIO DE EMPRESA DE SEGURANÇA É ACUSADO DE PEDIR DINHEIRO EM TROCA DE EMPREGO COM CARTEIRA FICHADA.

TESTEMUNHAS DIZEM QUE O FUNCIÓNARIO COBRAVA DINHEIRO PARA FICHAR SUAS CARTEIRAS DE TRABALHO E COM ISSO ELE JÁ EMBOLSOU MAIS DE 100 MIL REAIS, POIS JÁ HAVIA CONTRATADO TRINTA E DUAS PESSOAS.

Nesta quarta-feira, 11/01, policiais militares do GTOP-33, foram acionados via CIADE, por volta das 18h, para averiguarem uma ocorrência próxima ao Polo de Cinema de Sobradinho, onde um empresário estava averiguando a contratação falsa de funcionários para sua empresa sem a sua autorização.

No local os policiais fizeram contato com o empresário Humberto Costa, 35 anos, que estava na companhia de sua advogada. Ele alega que sua empresa Vip Segurança estava sendo lesada por um funcionário que estava contratando novos funcionários sem sua autorização. 

Segundo uma testemunha, o funcionário, Antônio Paulo Mendes, 32 anos, pedia em média R$4.500,00 para empregar o cidadão de bem na empresa e assinava a carteira com um salário de R$1200,00, mais vale refeição e transporte. Ele contratava os funcionários com se fossem para a empresa Vip Segurança e disponibilizava o uniforme com a marca da empresa.

O proprietário da empresa ficou sabendo da fraude, quando foi procurado pelo Sindicato dos Vigilantes (SINDESV) e foi questionado sobre a situação trabalhista dos funcionários, pois eles estavam em instalações precárias e se abrigavam em barracas de lonas próximas ao polo de cinema em Sobradinho.

O empresário foi ao local e constatou a fraude, encontrou o seu funcionário chefiando em média dezessete vigilantes no local, ligou para o 190 e pediu apoio à Polícia Militar.
Os policiais do GTOP-33 foram ao local, apreenderam uniformes, folhas de ponto e encaminharam os envolvidos à 35ª Delegacia de Polícia para registro de ocorrência.

Na delegacia foi instaurado um Inquérito Policial para apurar o crime de estelionato contra Antônio Paulo, funcionário da empresa Vip Segurança, pois segundo testemunhas, Antônio já havia contratado  trinta e duas pessoas e teria recebido em média 100 mil reais para assinar suas carteiras.

Claudio Martins

Nenhum comentário:

Postar um comentário