P U B L I C I D A D E

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

HOMEM MORRE ATROPELADO NESTA MADRUGADA NO BURADO DO TATU


Por Adriana Bernardes

Mais uma madrugada de trânsito violento no Distrito Federal. Marcos André Torres, de 37 anos, morreu atropelado por volta da 1h desta sexta-feira (12/8), no Buraco do Tatu. Segundo informações da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, o assessor parlamentar da Câmara dos Deputados estava no carro de um amigo, quando o veiculo ficou sem gasolina. Os colegas saíram para comprar combustível, e ele desceu para colocar o triângulo de sinalização. Teria sido nesse momento, que um carro guiado por um estudante o atingiu. Marcos morreu imprensado entre os dois veículos.

O motorista que provocou o acidente foi encaminhado para prestar depoimento na delegacia da área central (5ªDP). Ele confessou que tinha ingerido bebida alcoólica, mas alegou que dirigia na velocidade permitida para a via, de 60km/h. O motorista não portava carteira de habilitação e justificou aos policiais que teve o documento furtado.
 Fernanda, sobrinha de Marcos. Em 2008, a filha dela morreu atropelada.
Marcos é o terceiro integrante de sua família a morrer atropelado. Em dezembro de 2008, a sobrinha dele, Butitiere Fernanda de Assis, de 29 anos, perdeu a filha da mesma forma trágica. Giovana Vitória de Assis, na época com cinco anos, estava de mãos dadas com a babá, quando foi atravessar uma faixa de pedestres em Planaltina. Elas foram atropeladas por um motorista alcoolizado. A babá sobreviveu, mas a criança não resistiu.

"A Lei Seca não está adiantando nada. Já vai fazer três anos que a minha filha morreu e o processo ainda está parado, aguardando julgamento. Enquanto isso, nós estamos perdendo gente da nossa família. Punido não é quem bebe e dirige, mas quem tem que enterrar seus mortos", lamenta a contadora.

Fonte: correiobraziliense.com

Um comentário:

  1. Situação terrível. Acho que se o GDF investir em transporte público, seja nas empresas ou na construção de faixa exclusiva pra ônibus. AS ruas vão ficar menos violentas.

    ResponderExcluir