P U B L I C I D A D E

terça-feira, 19 de julho de 2011

REESTRUTURAÇÃO DA PMDF E BOMBEIROS PODE TIRAR 1,5 MIL POLICIAIS DAS RUAS DO DF

Em meia à violência que assusta a população do DF,  uma proposta pode retirar das ruas 1,5 mil policiais militares.Caso a presidente Dilma Rousseff acate a minuta de medida provisória de autoria do deputado Patrício (PT), presidente da Câmara Legislativa e integrante da PM, pode haver uma redução do efetivo no combate direto ao crime. A iniciativa é polêmica e divide a corporação. Os oficiais não escondem a insatisfação e acusam o parlamentar de “oportunismo”.

O distrital quer o remanejamento de vagas no quadro da Polícia Militar, sob o argumento de que a mudança melhoraria o fluxo na carreira. Na prática, a medida permitirá a promoção de policiais, mas reduzirá o número de servidores com patentes mais baixas — maior parte do contingente que trabalha nas ruas. Caso a promoção atinja o efetivo mínimo previsto, 497 homens assumiriam serviços administrativos. Atualmente, 353 policiais desenvolvem essas atividades, número que saltaria para 850. Além disso, o projeto também permite que o praça, que hoje se aposenta com a patente máxima de subtenente, alcance o posto máximo de tenente-coronel.

O DF é a unidade da Federação com maior número de policiais militares por habitante, com um para cada grupo de 175,5 moradores. Em São Paulo, a proporção é de um para 473,9. O salário inicial dos soldados na capital federal também é maior do que em qualquer estado brasileiro. Um praça em começo de carreira ganha R$ 4.750, contra R$ 1.787 pagos em São Paulo. A Associação dos Oficiais da PMDF (Asof) enviou um documento ao governador Agnelo Queiroz destacando que “pessoas com interesses eleitoreiros instigam a insubordinação e a quebra de hierarquia e induzem disputas entre oficiais e praças”.

Motivação
Segundo o diretor de articulação política da Asof, major Rômulo Palhares, a medida é irresponsável. Ele acusa o deputado de não elaborar estudos antes de propor a medida. O diretor lembra que a PM ficou sete anos sem oferecer concurso público e que, no período, uma média de 300 homens deixaram a corporação anualmente. “A última turma que entrou, de 1,3 mil homens, não cobre o buraco. Os oficiais são cobrados da defasagem do efetivo e a Copa do Mundo de 2014 se aproxima. Não há nada que indique a necessidade dessa medida”, explicou.

O vice-presidente da Associação dos Praças do DF, sargento Sansão Barbosa, por sua vez, defende o projeto de Patrício. Segundo ele, com as promoções e a unificação dos quadros, “os praças se sentirão motivados”. Além disso, ele classifica os oficiais contrários à proposta de “minoria insatisfeita”. “Vamos diminuir a distância entre o soldado e o tenente-coronel. Hoje, um oficial em início de carreira manda em um subtenente com 29 anos de corporação. A verdade é que os oficiais não querem se misturar”, dispara.

O deputado Patrício se defende. Segundo ele, o fato de serem promovidos não vai retirar os praças das ruas. O presidente da Câmara Legislativa disse ainda que os oficiais têm medo de perder status e por isso querem derrubar a proposta que unifica o quadro. “Os praças entram sem condição de ascender ao oficialato. Queremos que um soldado possa chegar ao cargo de tenente-coronel. Hoje, é como se tivéssemos duas corporações, tanto na Polícia Militar quanto nos Bombeiros”, argumentou.

A proposta que virou minuta foi debatida entre Patrício e os praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros do DF em 16 de junho. O texto será avaliado pelo Governo do Distrito Federal, que ainda não tem data para encaminhar uma proposta de reestruturação da PM aoExecutivo federal. Ontem, o deputado entregou o documento ao secretário de Segurança do DF, Sandro Avelar. Ao Correio, no entanto, Avelar minimizou a polêmica. “Por enquanto, são propostas, não tem nada de concreto. Existe a necessidade de estudar projetos de reestruturação da carreira militar e o governo aguarda propostas do comando de operações do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar”, disse.

Fonte: correiobraziliense.com.br

3 comentários:

  1. Uma questão de rivalidade entre Oficiais e Praças, pois como disse o Deputado Patrício e concordo com ele, os oficiais estão pensando somente no "status" e não na corporação, pois como disse O vice-presidente da Associação dos Praças do DF, sargento Sansão Barbosa,com as promoções e a unificação dos quadros, “os praças se sentirão motivados". Todo policial para trabalhar bem precisa de motivação como qualquer trabalhador e nesta situação os oficiais estão articulando para impedir que os praças tenham tal motivação, pois não concordam em dividir a "CADEIRA DE COMANDANTE" com um praça antigão que chegou após 28 anos de serviço prestados a sociedade à patente de tenente-coronel. Considero um absurdo tal pensamento.

    ResponderExcluir
  2. Amigo essa nota não deveria ser postada. Isso não merece atenção, pois são os praças que trabalham nas ruas arriscando suas vidas.
    Notícias tendenciosas e viciadas não merecem atenção!!!

    ResponderExcluir
  3. E isso é motivo para não postar, você está enganado olho gordo, agora que devemos dar a atenção necessária para o assunto para depois não reclamar do mau feito. Todos sabemos que são os praças que trabalhamos na rua, só não ver quem não quer.

    ResponderExcluir